Pular para o conteúdo principal

Historema 10

No caminho até a quadra poliesportiva no fundo do pátio, percebi que o colégio que me contratou para arbitrar a competição não tinha nenhum negro entre seus alunos.

Posso notar o fato logo, mas não vou protestar no jornal. Não estou no mundo para fazer revolução, por mais que me critiquem. Falta-me consciência de classe? Pessoas de todas as cores praticam ações que me embaraçam como ser humano.

O que me faz lembrar aquele dia aconteceu mais tarde. O jogo começou e as equipes eram equilibradas. Defendiam as turmas de estudantes. Era a partida entre, digamos, a sala 11 contra a sala 16 — grupos formados dois meses antes, em parte por sorteio, numa papeleta pautada da secretaria, mas que lutavam encarniçados como se fossem religiões milenares.

O adolescente que brincava de técnico de um dos times cumprimentou-me com educação e talvez até com dentes claros, antes do início. Ao longo da partida gritou muito com seus amigos e me fez perguntas. Irritou-se apenas de leve com algumas de minhas marcações.

Mas perto do final, em lance crítico, a bola foi cortada bem diante de mim e quicou fora da quadra. O rapaz comemorou o ponto da vitória, mas eu decidi que ela havia resvalado na mão de um de seus colegas.

A decisão não o agradou. Ele pôs as mãos na cabeça, chocado. Mas não ficou paralisado por muito tempo. A partida continuou e o time adversário foi campeão em duas jogadas rápidas.

Quando percebeu o que tinha acontecido, ele partiu com tanta fúria para cima de mim que algumas pessoas precisaram segurá-lo. Mais que isso, elas o arrastaram para longe, por precaução. Impedido de se manifestar fisicamente, deixou jorrar a palavra:

— Macaco!

Talvez eu tenha errado, e qualquer celular de moleque pode me condenar em imagens como nas mesas redondas de gente grande. Mas quem não erra?

Por si mesma a palavra Macaco não tem como ser ofensiva. O que há de errado com os primos da humanidade inteira? Seria um elogio para, digamos, um macacófilo. É claro que a ofensa está toda na intenção inicial de ofender. Ele podia me chamar de automóvel, violão, crediário ou aspirina. A ofensa já está antes da palavra.

Dois alunos vieram me pedir desculpas mais tarde. O diretor do colégio, avisado da cena, também.

Eu devia jogar dardos no rosto pintado do indivíduo? O mundo não é estático. Hoje, sim, existe um vilão naquela criança. Mas pobre menino. Terminará de receber sua educação, quando entenderá que somos todos iguais. O tempo vai passar e ele estará condenado a relembrar aquela covardia. Se tiver uma religião, ansiará um dia por confessá-la ao padre. Não tendo religião, mas algum senso prático, desfiará o problema no divã. Faltando-lhe qualquer ajuda, o que poderá fazer? Recordar. Sofrerá sem purgação enquanto aquele dia negro persistir em sua memória. 

People photo created by rawpixel.com - www.freepik.com

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Historema 13

O velhinho ia adorar aquela peça. Eu até já podia ver um sorriso escapando do seu recato meio acaipirado. Eu havia procurado bastante, mas foi numa hora inesperada que o disco apareceu. O bar barulhento inaugurado meses antes bem diante de minha porta trouxera ao meu comércio um novo público. A circulação aumentou, estendi o horário em quase todos os dias e foi numa sexta quase meia-noite que um guri calado chegou com quatro discos velhos e aceitou minha primeira oferta. A joia do negócio foi uma bolacha inacreditável de 45 rpm, trilha sonora de Love letters, filme de ainda antes dos bons tempos, com música de Victor Young. O velhinho ia adorar, sem dúvida. “Love letters”, a canção principal, nunca havia faltado no estoque, várias versões para cada década decorrida, menos ou mais meladas, menos ou mais espremidas ou esticadas, com voz, sem voz, nostálgicas, amodernadas. Mas ele desejava a primitiva e repelia as genéricas. Logo na segunda depois do almoço ele entrou pel

Historema 7

Algumas meninas arrancam os saltos para pisar já no chão fofo do elevador. Eu prefiro suportar a dor mais dois minutos, manter o porte e desabar somente no sofá da sala. Naquela noite, mesmo com essa pressa, segurei a porta para um homem do quinto, em quem nunca tinha prestado atenção. Ele não me agradeceu, ou despercebi. Encarou depressa, mas perceptivelmente, o decote que eu não havia tido tempo de trocar na saída do evento. Cada um apertou um botão. Foi então que ele disse: — Quanto é o programa, querida? Não sei de que modo externei o sufoco em meu coração ao ouvir essas palavras. Posso ter gemido, ou suspirado. Ele não me amedrontava. A pergunta teve até leveza, descuido. Não consegui dizer nada, ou não quis. Farejei por bafo de álcool, mas o resultado foi inconclusivo. Saí no meu andar sem lhe voltar o rosto. Já recebi propostas em eventos, mas sempre soaram diferente para mim. A pessoa é comedida, muitas vezes não avançando além da sugestão indireta. Isso me permite

Historema 12

Eu poderia tentar alegar que era apenas um menino. Mas naquele instante, assim que vi Pedro cair na tocaia, mesmo criança entendi que eu tinha agido muito mal. Também poderia dizer que Maurício, muito maior do que eu, havia me coagido a representar aquele papel. Mas não tinha sido bem assim. Ele me mandou, mas não como quem impõe. Ele me mandou como quem acredita estar prestando um favor, dando a mim, e não aos outros moleques da rua, a oportunidade de participar daquela grande emboscada. Hoje tenho um filho. É um horror vê-lo com o menor dos ferimentos. Quando meninos, porém, em nossa própria carne um corte é um troféu. Pedro não saía mais de casa depois da escola. Sabia que Maurício queria pegá-lo, em vingança. Seria desigual. Pedro havia vencido a disputa anterior porque fora artilheiro como Davi, lançando uma bolinha de gude no Sansão. Distância prudente do guerreiro mais forte. Mas naquela tarde, logo após o almoço, bati no portão de Pedro e o chamei para jogar bo