Pular para o conteúdo principal

Historema 5

*
— O que essa careta está fazendo aqui? Nem cerveja ela bebe.

Escutei essa frase a alguma distância. A própria Raquel não percebeu. As duas meninas que ouviram o Válter ficaram quietas. Só a Manoela concordou com a cabeça, indiferente.

O calor de novembro não rompera de todo o nosso jeito matuto, e a piscina estava vazia naquele momento. Uns três ou quatro colegas tinham mergulhado um pouco antes, mas já se secavam ao sol, exibindo o tórax. Eu havia me empanturrado de carne e fiquei com medo de ter uma congestão dentro da água.

A churrascada do pessoal da escola ia durar até de noite.

Eu também não bebia cerveja. Mas eu é que tinha encomendado os barris e feito o açougue, então ninguém me hostilizava frontalmente nem fazia comentários dissimulados. Eu tomava refrigerante com desenvoltura e meu próprio senso de virilidade.

Sentada perto da mesa, notavelmente afastada do convívio, a Raquel mantinha o sorriso ameno de quem, de algum modo, se considerava suficientemente integrada e satisfeita. O crucifixo pendurado no peito era pequeno, mas saltava para fora da camisa de linho azul.

Na varanda sombreada ao lado da churrasqueira, ia aumentando o grupo dos que papeavam sobre sexo e tópicos que tais. Marcos, o filho do dono da chácara, ainda com o peito despido depois do banho de piscina, havia se estirado na espreguiçadeira plástica e palestrava à vontade, patenteando conhecimento de causa. Os virgens sugavam os saberes com sofreguidão. Olhos brilhavam. Quem tomava a palavra procurava apregoar seus exercícios sentimentais com aparência de naturalidade.

Permaneci algum tempo na órbita desse congresso, mas logo me desloquei em direção à Raquel depois de avistá-la cada vez mais isolada, ainda na mesma cadeira e com o mesmo sorriso.

— Você comeu bem?

— Estava tudo ótimo, obrigada.

Sentei-me junto a ela e tentei pensar em algo para dizer. Mas ela se antecipou:

— Eu gosto desta turma. São pessoas divertidas e inteligentes. Uma obra de Deus. Minha mãe não queria que eu viesse. Entendo o lado dela. Alguns costumes podem ser  viciosos. Mas Jesus toca cada um no tempo de cada um, de acordo com sua sabedoria.

Ela pausou e eu acenei transigente.

— Tenho uma família linda que me conduziu para esse caminho — ela continuou —, mas será que não fui tocada cedo demais? Agora é a responsabilidade. Fiz bem em vir. Ri muito! Deus vai abençoar esses meninos.

Da outra banda irrompeu um grito etílico que deflagrou uma reação em cadeia de manifestações ruidosas. Muitas risadas, vozerio cruzado. Detectei certa fala meio sussurrada que juntava uma obscenidade e a palavra “Raquel” na mesma frase.

Em nome de Cristo, o ar ficou mais úmido.

 Designed by Freepik

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Historema 13

O velhinho ia adorar aquela peça. Eu até já podia ver um sorriso escapando do seu recato meio acaipirado. Eu havia procurado bastante, mas foi numa hora inesperada que o disco apareceu. O bar barulhento inaugurado meses antes bem diante de minha porta trouxera ao meu comércio um novo público. A circulação aumentou, estendi o horário em quase todos os dias e foi numa sexta quase meia-noite que um guri calado chegou com quatro discos velhos e aceitou minha primeira oferta. A joia do negócio foi uma bolacha inacreditável de 45 rpm, trilha sonora de Love letters, filme de ainda antes dos bons tempos, com música de Victor Young. O velhinho ia adorar, sem dúvida. “Love letters”, a canção principal, nunca havia faltado no estoque, várias versões para cada década decorrida, menos ou mais meladas, menos ou mais espremidas ou esticadas, com voz, sem voz, nostálgicas, amodernadas. Mas ele desejava a primitiva e repelia as genéricas. Logo na segunda depois do almoço ele entrou pel

Historema 11

Acho que sei por que não me esqueci do gesto que presenciei naquela tarde, uma ação discreta e sem vítimas. Foi marcante o golpe inusitado de uma violência não contra um organismo ou mesmo contra matéria inerte, mas contra o Sentido natural das coisas. No final da aula de Educação Artística, meus colegas adolescentes estavam profissionalmente entediados. Eu ainda rabiscava uns contornos no papel, convicto de que os conceitos teóricos haviam sido assimilados em minha mente, mas não mimetizados no exercício prático. Claro que as duas meninas na minha frente tinham se saído muito melhor. Eu não tinha pressa para terminar e entregar a obra-prima. Aquela classe à tarde era quase extra-curricular. Não existia nada para fazer depois. Porém mais da metade da sala escapou pela porta com sofreguidão logo ao primeiro toque do sinal. O Fabião, um notório repetente, era uma das exceções. Manteve-se mais tempo arrumando sua mochila, com todo o sossego. Alguns estudantes, entusia

Historema 12

Eu poderia tentar alegar que era apenas um menino. Mas naquele instante, assim que vi Pedro cair na tocaia, mesmo criança entendi que eu tinha agido muito mal. Também poderia dizer que Maurício, muito maior do que eu, havia me coagido a representar aquele papel. Mas não tinha sido bem assim. Ele me mandou, mas não como quem impõe. Ele me mandou como quem acredita estar prestando um favor, dando a mim, e não aos outros moleques da rua, a oportunidade de participar daquela grande emboscada. Hoje tenho um filho. É um horror vê-lo com o menor dos ferimentos. Quando meninos, porém, em nossa própria carne um corte é um troféu. Pedro não saía mais de casa depois da escola. Sabia que Maurício queria pegá-lo, em vingança. Seria desigual. Pedro havia vencido a disputa anterior porque fora artilheiro como Davi, lançando uma bolinha de gude no Sansão. Distância prudente do guerreiro mais forte. Mas naquela tarde, logo após o almoço, bati no portão de Pedro e o chamei para jogar bo